quinta-feira, 24 de abril de 2008

Dizer caralhadas

Por norma não sou uma pessoa que diz muitas das referidas no título, mas tenho as minhas fases. Fases em que cada frase tem de ter uma palavra feia e outras fases em que só de as ouvir já fico mal-disposta.
Mas há situações em que elas são propositadas!
Quando estamos num restaurante e já passou uma hora desde que fizemos o pedido e nada de comida em cima da mesa. É altura de dizer: "Ai o caralhinho! Então o cozido vai demorar?"
Outra é quando o Benfica leva 5 e temos uma amiga benfiquista ferrenha, a única coisa que podemos dizer é: "tás fuuudida!" e rir muito!
Mas a razão para exclamar bem alto e com muita raiva um "caralho me foda!" é quando um frasco de verniz vermelho se parte dentro da nossa bolsa de €100 (para mim foi muito cara) e espalha-se no meu mp3, no meu telemóvel, na minha maquilhagem toda, no porta-moedas e em todos os cantos possíveis!
Mas temos de visita em casa um gajo que acha que o lugar da mulher é na cozinha, que os seus únicos deveres são limpar a casa e servi-lo (a todos os níveis), e óbvio que uma mulher que fale mal não presta nem deveria estar a viver debaixo do mesmo tecto que o filho!
E eu até tenho tido muito cuidado para não deixar o homem mal-impressionado mas o homem estava presente naquelas 3 situações que descrevi... Agora sou persona non-grata.
Mas para ele tenho umas palavrinhas que infelizmente não posso dizer cara-a-cara, mas tenho um blog para alguma coisa!
Vai prá puta que te pariu! A culpa só pode ser dela, por ter educado assim um filho.
Tenho dito.

1 murmúrios:

mAuríLia 25 de abril de 2008 às 13:39  

melher!!!

tu tem calma contigo...